Menu

SWF file not found. Please check the path.

25 de Fevereiro de 2017
REDAÇÃO

REDAÇÃO

Racismo no Brasil se reflete no mercado de trabalho: negros ganham menos e são os que engrossam o desemprego

A população negra e parda tem mais dificuldade de conseguir emprego e, quando consegue, ganha salários mais baixos do que a população branca, segundo os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A renda média real recebida pelas pessoas ocupadas no país foi estimada em R$ 2.043,00 no quarto trimestre de 2016. O rendimento dos brancos era de R$ 2.660,00 (acima da média nacional), enquanto o dos pardos ficou em apenas R$ 1.480,00 e o dos trabalhadores que se declaram pretos esteve em R$ 1.461,00.

“Por isso que a gente precisa de políticas diferenciadas de inserção no mercado de trabalho para essa população. É uma população que tem dificuldade de entrar no mercado de trabalho e, quando se insere, tem uma condição mais precária”, afirmou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

A taxa de desemprego das pessoas que se declararam de cor preta ficou em 14,4% no quarto trimestre de 2016, enquanto a taxa entre a população parda foi de 14,1%. Os resultados são maiores que o da média nacional, de 12,0%, e do que o registrado pela população declarada como branca, que teve taxa de desemprego de 9,5% no quarto trimestre de 2016.

“Vivemos no Brasil um processo de escravidão complicado. Por mais que a gente se afaste anos, existe um dever de casa a ser feito bastante importante”, disse Azeredo. O coordenador do IBGE aponta problemas estruturais e baixa escolaridade como algumas justificativas para a maior dificuldade enfrentada por negros e pardos no mercado de trabalho.

 

No quarto trimestre de 2016, o total de desocupados no país era de 12,3 milhões de pessoas, sendo 52,7% deles pardos; 35,6%, brancos; e 11,0% declarados pretos. Entre os trabalhadores ocupados, 90,3 milhões de pessoas, 41,7 milhões se declararam de cor branca (46,2%), 39,6 milhões de cor parda (43,9%) e 8,1 milhões de cor preta (8,9%). “É uma mazela permanente”, definiu Azeredo.

Polícia Militar impede uso de pau de selfie no carnaval de Salvador. Veja outros objetos proibidos

 

A Polícia Militar nas abordagens feitas a foliões nos acessos aos circuitos do carnaval de Salvador está impedindo o uso de pau de selfie, equipamento popular que auxilia nas filmagens e fotografias. A recomendação é para os foliões não levarem o pau de selfie para o carnaval devido ao potencial do equipamento se tornar uma arma branca. De acordo com a PM, há outros itens que devem ser evitados, como tesoura e faca. Policiais revistam os foliões e impedem a entrada de materiais que possam servir como arma, evitando riscos para a os foliões.

 

Polícia Civil prende suspeito de liderar chacina em Porto Seguro

Em ação realizada na cidade de Buerarema, sul da Bahia, na manhã de segunda-feira (13), a Polícia Civil prendeu Antônio dos Reis de Jesus, 30 anos, vulgo ‘Du Reis’, suspeito de liderar a chacina de 8 pessoas em Porto Seguro, na semana passada. A ação resultou de um intenso trabalho de investigação. No mesmo dia à tarde, a Polícia prendeu no bairro Frei Calixto, em Porto Seguro, outro suspeito de participar do crime, o jovem Makis de Jesus Santos, 18 anos. Os policiais encontraram ainda drogas, armas e munição em diversos imóveis. 

MST desocupa praça central de Prado após prefeita prometer empregos

Nesta segunda-feira (13), integrantes do Movimento Sem Terra (MST) desocuparam a praça central do município de Prado, no sul da Bahia. Os sem terra passaram a ocupar a praça depois que foram despejados pela Justiça local da sede da Prefeitura. Eles reivindicam politicas públicas nas áreas de assentamento e acampamento no município e, segundo informações da assessoria do MST, a saída se deu após negociação com a prefeita Mayra Brito. O dirigente regional do MST, Carlos Alberto da Silva, informou que na reunião, a prefeita falou em contratações nas áreas de saúde e educação, além de reformas nas escolas do assentamento.

Assinar este feed RSS
  • Jornalista Responsável: Carlos Geraldo Alves MTE/BA 4162 - Fundação: janeiro de 2008
  • E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • Tel.: (73) 3281-6908 / (73) 99814-6777