Menu
Banner Prefeitura TOPO
25 de Setembro de 2018

Em Nota Veracel diz que não financia campanhas políticas, pra quem foi o recado?

  • Publicado em Bahia

Depois de aparecer num video de campanha de um candidato a deputado estadual de Eunápolis, dando toda a pinta de que a empresa estaria por trás da candidatura de um ex-dirigente, a Veracel Celulose emitiu Nota para dizer que não financia candidaturas. Óbvio, empresas são proibidas pela nova legislação eleitoral de financiar campanhas.

 

Lembrando - A Lava Jato mostrou que a Odebrecht tinha um departamento só de propinas e também de caixa 2 de campanha. Por sinal, a Odebrecht foi parceira da Veracel no começo do empreendimento, quando o agora candidato a deputado era dirigente da empresa de celulose. Apenas lembrando. Lógico que a Veracel prima por cumprir a lei.

Leia mais ...

A 3 meses da eleição, Odebrecht faz acordo para voltar a ser contratada por estatais

  • Publicado em Brasil

 

Grande vilã da Lava Jato, a empreiteira Odebrecht fez acordo de leniência com a União para voltar a ser contratada pelas estatais. A empresa, que chegou ter um departamento para administrar as propinas pagas aos políticos, vai pagar R$ 2,7 bilhões para limpar sua ficha. O acordo acontece a três meses das eleições, a Odebrecht financiou com caixa 2 de campanha diversos políticos que disputam o pleito em outubro.

Leia mais ...

FHC também pediu caixa 2 a Odebrecht para o PSDB

  • Publicado em Brasil

A política brasileira entrou no mato sem cachorro, diria um pensador das antigas. Na linguagem moderna o papo é reto: a casa caiu também para o PSDB. O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o cacique tucano que ainda estava fora da vala comum da corrupção, é pauta dos noticiários políticos.

 

A Polícia Federal encontrou um pedido de doação de FHC à Odebrecht para financiar campanhas de dois senadores do PSDB em 2010, Antero Paes de Barros e Flexa Ribeiro. Somente o primeiro se elegeu. A revista Veja traz detalhes da negociata. O primeiro e-mail enviado a Marcelo é de 13 de setembro de 2010, com o assunto "pedido". Nele, Fernando Henrique diz que, recordando da conversa que tiveram em um jantar, envia um "SOS". "O candidato ao senado pelo PSDB, Antero Paes de Barros, ainda está em segundo lugar, porém a pressão do governismo, ancorada em muitos recursos, está fortíssima. Seria possível ajudá-lo? Envio abaixo os dados bancários", escreve FHC.

 

“O de sempre” - Marcelo Odebrecht responde que o ex-presidente pode ficar tranquilo. "Depois aproveito, e lhe dou o feedback dos demais apoios e reforços que fizemos na linha do que conversamos", afirma. Em outro e-mail, de 21 de setembro do mesmo ano, com o assunto "o de sempre", FHC pede perdão pela insistência e volta a pedir ajuda financeira - desta vez para Flexa Ribeiro, candidato ao Senado no Pará. "Ainda há tempo para eles alcançarem, no caso na verdade é manterem, a posição que os leva ao êxito." Odebrecht diz que já contatou Antero, que sabe que irão apoiá-lo. "Flexa não sei dizer, mas vou verificar", escreve. Na prestação de contas dos candidatos ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), não constam registros de doações oficiais da Odebrecht.

 

Leia mais ...

Mais propina: Aécio Neves é acusado de receber R$ 110 milhões na campanha de 2014

  • Publicado em Brasil

A situação do senador Aécio neves (PSDB-MG) fica cada vez mais complicada:

1 - Sérgio Andrade, sócio do grupo empresarial e da empreiteira Andrade Gutierrez, em depoimento na Polícia Federal (PF), confessou que sua empresa assinou um contrato-fantasma de R$ 35 milhões com uma empresa de um amigo de Aécio Neves, Alexandre Accioly, para repassar recursos ao então presidente nacional do PSDB;

2 - Joesley Batista confessou à PF ter passado R$ 110 milhões para Aécio Neves, na campanha eleitoral de 2014. O dono da JBS-Friboi entregou à polícia uma planilha com as propinas, notas fiscais e recibos que provam o repasse do dinheiro a Aécio. Em troca, o tucano teria prometido, se eleito presidente, continuar favorecendo a JBS como fazia o governo petista;

3 - Joesley declarou, também, que, entre 2015 e 2017, passou R$ 50 mil por mês ao então presidente nacional do PSDB. Esse dinheiro foi pedido por Aécio a Joesley Batista e foi transferido através da Rádio Arco Íris, da qual o senador mineiro seria sócio. O dono da JBS-Friboi apresentou 16 notas fiscais em que sua empresa pagou por “serviços de publicidade” à Rádio Arco Íris, como patrocínio do programa radiofônico “Jornal da Manhã”. O valor total dessas notas fiscais é de R$ 864 mil.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS
  • Jornalista Responsável: Carlos Geraldo Alves MTE/BA 4162 - Fundação: Novembro de 2012
  • E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  
  • Tel/Whatsapp: (73) 99814-6777