Menu
Banner Prefeitura TOPO
19 de Julho de 2018

Bolsonaro terá só 12 segundos de rádio e TV com um general como vice

  • Publicado em Brasil

O pré-candidato a presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), desistiu da aliança com o PR. E agora o general Heleno (PRP) está sendo o nome mais cotado para vice, trazendo 4 segundos de tempo de televisão. Bolsonaro lidera as pesquisas de intenção de voto, em cenário sem Lula na disputa (o mais provável). Com Heleno na vice, a dupla de militares terá apenas 12 segundos de tempo no rádio e TV no total para a propaganda eleitoral, leia-se defesa, ataque e divulgação das propostas. Não dá pra nada.

 

 

Leia mais ...

"O Brasil tem sede de mudança": Polícia Federal vai às urnas unida em outubro com dezenas de delegados candidatos

  • Publicado em Brasil

Na Bahia, o delegado aposentado Renovato Dias, ex-superintendente regional no extremo sul, pretende ser deputado estadual pelo PSL de Bolsonaro.

 

 

Delegados da Polícia Federal (PF) de diversos estados do país se reuniram na manhã desta quinta-feira, 12 de julho, em Curitiba, no lançamento da campanha “O Brasil tem sede de mudança”, que inicia o movimento para eleger dezenas de delegados federais pré-candidatos nas eleições deste ano. Dentre os temas debatidos no encontro estão: impunidade, combate à corrupção e segurança pública. O evento é organizado pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF).

 

Uma das propostas do movimento é alterar a Lei de Licitações para impedir as fraudes e direcionamentos, conforme identificado em fases da Operação Lava Jato. Além disso, o fim do foro privilegiado é outra bandeira defendida pelos delegados.  

 

Condições de trabalho - Os delegados da PF reclamam que o órgão não tem equipes mínimas de investigação nas unidades, que há carência de servidores administrativos – muitos deles substituídos por mão de obra terceirizada – e que não houve regulamentação da chamada indenização por trabalho em fronteira, dois anos depois do governo federal ter assumido esse compromisso com os policiais. Os delegados também estão insatisfeitos com a proposta do Ministério do Planejamento de reajuste salarial para a categoria da ordem de 21,3%, mas escalonado em quatro anos.

Leia mais ...

Bolsonaro pode virar réu no STF por racismo e preconceito contra negros quilombolas, indígenas e estrangeiros

  • Publicado em Brasil

A procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, defendeu o recebimento da denúncia contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL/RJ) por racismo e manifestação discriminatória contra quilombolas, indígenas e refugiados. O parecer foi enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quinta-feira (28) no âmbito do inquérito 4694. No documento, a PGR rebate as alegações da defesa de que as declarações do deputado expressaram apenas a opinião política do parlamentar, proferidas no exercício da função, em diálogo com seu eleitorado.

Preconceito - Para Raquel Dodge, as palavras e expressões utilizadas por Jair Bolsonaro – ao se referir aos indígenas, quilombolas e estrangeiros – mesmo no contexto pretensamente jocoso que ele busca empregar e defender, ultrapassam a liberdade de pensamento e transbordam para o conteúdo discriminatório e preconceituoso aos grupos aos quais ofende. Sendo assim, a conduta praticada pelo deputado tem adequação aos núcleos contidos no Artigo 20 da Lei nº 7.716/1989, como “praticar”, “induzir” e “incitar” a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional.

Defesa - No parecer, Raquel Dodge destaca que a denúncia narra os fatos imputados a Jair Bolsonaro de maneira tão clara e concisa, que permitiu à defesa compreender toda a acusação e rechaçar pontualmente seu mérito. “Essa é a comprovação de que a denúncia é absolutamente apta”, sustenta a PGR. Ela rebate também a tentativa da defesa de inserir as declarações racistas em contexto de manifestação política e, consequentemente, acobertadas pela imunidade parlamentar. O relator do caso no STF é o ministro Marco Aurélio Mello.

Discurso - Por fim, a PGR lembra que a denúncia não precisa conter todos os trechos do discurso do parlamentar para demonstrar as condutas praticadas – como sustenta a defesa. Para Raquel Dodge, os trechos do discurso inseridos na peça acusatória são suficientes para demonstrar a prática, a indução e a incitação de discriminação e preconceito a uma plateia com mais de 300 ouvintes. Em pouco mais de uma hora, o parlamentar falou sobre comunidades quilombolas (referindo-se a eles como seres inferiores, inúteis e preguiçosos, igualando-os a mercadoria) e aos estrangeiros (que poderiam se envolver em práticas de guerrilha e luta armada).

Conduta ilícita - As declarações do deputado ocorreram em palestra no Clube Hebraica do Rio de Janeiro, em abril do ano passado. Na denúncia, apresentada em abril deste ano, a PGR afirma que Jair Bolsonaro usou expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais. Neste sentido, Raquel Dodge avalia a conduta do parlamentar como ilícita, inaceitável e severamente reprovável. Segundo a PGR, a Constituição garante a dignidade da pessoa, a igualdade de todos e veda expressamente qualquer forma de discriminação.

Leia mais ...

Bolsonaro se aproxima dos católicos e evangélicos

  • Publicado em Brasil

Além de tentar uma aproximação com representantes de igrejas evangélicas por meio do deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR) e do senador Magno Malta (PR-ES), o pré-candidato do PSL ao Palácio do Planalto, Jair Bolsonaro, também busca abrir canais com líderes do movimento Renovação Carismática, da Igreja Católica. Bolsonaro se declara católico.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS
  • Jornalista Responsável: Carlos Geraldo Alves MTE/BA 4162 - Fundação: Novembro de 2012
  • E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  
  • Tel/Whatsapp: (73) 99814-6777