Sindicato, OAB e vereador cobram EPI para profissionais de saúde em Eunápolis

Spread the love

Em recente inspeção no Hospital Regional, o presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Eunápolis, vereador Arthur Dapé (DEM), relata que constatou diversos profissionais de saúde desprotegidos, sem os equipamentos de proteção individual (EPI) adequados ao atendimento em tempos de coronavírus.

O edil chega a afirmar que o hospital estaria despreparado para atender 1 só paciente. Arthur enviou ofício à Secretaria Municipal de Saúde cobrando diversas providências e disse que vai enviar ao Ministério Público proposta para que a prefeitura dê transparência aos gastos com ações contra o coronavírus. 

Vereador Arthur Dapé

Sinsppor

Antes da inspeção do vereador, o sindicato dos servidores públicos municipais (Sinsppor) já havia denunciado e cobrado EPI adequado para os servidores do Regional. O Sinsppor disse que moveria ação na Justiça reivindicando EPI adequado aos profissionais da saúde que são servidores efetivos no município e trabalham no hospital e UBS (Unidades Básicas de Saúde).

Sinsppor denuncia falta de itens de segurança para profissionais de saúde em Eunápolis

OAB

Presidente da subseção da OAB/Eunápolis

Na sequência, a subseção da OAB em Eunápolis, por meio do presidente Leonardo Maia, também entrou em cena. A entidade encaminhou ao Ministério Público do Trabalho, um ofício requerendo a instauração de inquérito civil para apuração e acompanhamento das condições de trabalho dos servidores em unidades de saúde do município. 

De acordo com o advogado Leonardo Maia, “a iniciativa da OAB visa garantir a integridade dos profissionais de saúde e pacientes, considerando que houve denúncias na imprensa afirmando a existência de manufatura de equipamentos de proteção, sem qualquer tipo de certificação”. De fato, as denúncias do Sinsppor foram publicadas pelo Bahia40graus, tendo como base vídeos e relatos enviados por 2 dirigentes sindicais.

Outro lado

Sob pressão, o secretário de Saúde Jairo Júnior nega que esteja faltando EPI, mas ainda não mostrou o estoque nem os profissionais usando. Faltou planejamento da gestão para antecipar a solução do problema. O coronavírus começou em dezembro e veio se espalhando pelo mundo, com a OMS emitindo diversos alertas. Tempo de sobra para a prefeitura e Eunápolis abastecer o almoxarifado da Saúde com máscaras, luvas e álcool em gel, além de outros equipamentos de proteção individual.

Por Geraldinho Alves, jornalista e editor do Bahia40graus

Reprodução autorizada desde que citada a fonte da seguinte forma: Por Geraldinho Alves/Bahia40graus

error: