Sessão de desagravo na OAB Eunápolis não pode ter uso político

É importante que nem governo nem oposição  faça uso político partidário da sessão de desagravo, a ser realizada na sede da o subseção da OAB local, na quinta-feira, 29 de agosto, 10 horas, a pedido do advogado e subprocurador do município, Antônio Pitanga, que alega ter sido ofendido por parte de um representante do Ministério Público.

O ato é mera formalidade em obediência ao Estatuto da Ordem, garantindo ao filiado da entidade este recurso. Nada mais além disso. Também não tem qualquer efeito sobre o papel do representante do Ministério Público. É um ato para ficar restrito à classe dos advogados. O uso político da sessão de desagravo vai reabrir o imbróglio do processo da empresa de ônibus GWG contra a prefeitura, cujas nuances têm conotações políticas claras.

A decisão de acatar o pedido da sessão de desagravo foi da diretoria estadual em Salvador e cabe à subseção realizar o ato. O uso político partidário do fato mancharia a reputação da entidade do ponto de vista institucional.