Igreja católica, partidos de esquerda, estudantes, movimentos sociais e sindicatos protestam em Salvador

No sábado, o desfile do 7 de setembro, na capital baiana, pela 25ª vez foi marcado pela participação do “Grito dos Excluídos”, este ano com o tema “Este sistema não vale! – Lutamos por justiça, direitos e liberdade”. Pelo menos 157 cidades, todas as capitais, de todos os estados, participarão do “Grito dos Excluídos”, no sábado, segundo os organizadores do protesto.

              

Salvador – BA

Vestidos de preto e caras pintadas, portando faixas, cartazes e bandeiras, centenas de manifestantes marcharam do Campo Grande à Praça Castro Alves, no centro de Salvador, gritando palavras de ordem do PT, como “Lula Livre” e “Fora Bolsonaro”. O protesto foi organizado pela Igreja Católica, com apoio de partidos de esquerda, entidades sindicais, estudantis e movimentos sociais. 

O padre Zé Carlos, coordenador do “Grito dos Excluídos”, resumiu a manifestação: “O sistema que vivemos exclui os mais pobres, os trabalhadores, os quilombolas, as LGBTs, os negros, as mulheres, ou seja, todos os setores oprimidos da sociedade”. 

 

 

Educação

A defesa da educação pública foi uma das bandeiras mais levantadas em toda a caminhada. Com faixas e cartazes, estudantes questionavam os cortes nos recursos das universidades e a suspensão de 5.600 bolsas de pesquisas anunciada na última segunda-feira (2/9) pelo Ministério da Educação.

Além de estudantes e professores, outras categorias profissionais e movimentos sociais marcaram presença no protesto, como trabalhadores dos Correios, petroleiros, indígenas, quilombolas, movimentos feministas, LGBTs e de luta contra o racismo também marcharam até a Praça Castro Alves. As centrais sindicais CUT, CTB e CSP Conlutas e partidos políticos – PT, PCdoB, PSOL, PCB e PSTU.

GRITOS DOS EXCLUÍDOS EM SALVADOR
VEJA TAMBÉM O GRITO DOS EXCLUÍDOS EM SÃO PAULO

 

Informações do jornal A Tarde e redes sociais. Fotos Facebook. APLB. Videos: You Tube