Óleo nas praias pode ter vazado de navio irregular

O comandante da Marinha do Brasil, almirante Ilques Barbosa, afirmou nesta 3ª feira (22/10) que o óleo que atingiu a costa do Nordeste pode ter partido de algum navio irregular, também conhecidos como “dark ships“. De acordo com ele, o governo tem concentrado as investigações sobre as causas da mancha em 30 navios de 10 países diferentes. 

A linha de investigação inicial lidava com 1.000 embarcações. “O mais provável é de que 1 dark ship teve 1 incidente e, infelizmente, não progrediu a informação como deveria”, disse, após reunião com o presidente em exercício, Hamilton Mourão, no Palácio do Planalto. Por convenção internacional, todo incidente de navegação deve ser informado pelo comandante responsável. 

Apesar das investigações seguirem esta direção, nenhuma possibilidade foi descartada. O almirante explicou que as pesquisas se regeneram com novos dados a todo momento. Empresas e instituições estrangeiras e 11 autoridades marítimas estão apoiando o Brasil nas investigações. 

A quantidade de óleo que chegou à costa brasileira é menor do que a capacidade dos navios investigados, em torno de 300 mil toneladas. Até 2ª feira (21/10), foram recolhidas 900 toneladas de resíduos de óleo cru nas praias do Nordeste.

O QUE JÁ SE SABE?

O almirante reforçou que o petróleo encontrado nas praias no Nordeste não tem origem nas bacias brasileiras e que não houve incidente nas plataformas, terminais ou navios da Petrobras. Segundo os cientistas, o petróleo é de origem venezuelana.

DARK SHIP

Os chamados dark ship são navios que têm seus dados informados às autoridades, mas, em função de qualquer restrição, de embargo que acontece, eles levam cargas que não podem ser comercializadas. Por isso, buscam vias de comunicação marítimas que não são tão frequentadas, além de procurar se evadir das marinhas de guerra e não alimentar os próprios sistemas de identificação. 

 

Com informações da Agência Brasil e Poder 360