Prisões de motoristas de Uber pela PM em Porto Seguro teriam sido abusivas

Três motoristas de Uber foram detidos pela Polícia Militar e levados de camburão, como criminosos comuns, para a delegacia da Polícia Civil, em Porto Seguro, nesta quinta-feira, 7 de novembro. Motivo? Estavam trabalhando. Em grupo, eles divulgavam aos passageiros do aeroporto da cidade o serviço de transporte por aplicativo, quando a PM foi acionada por taxistas que fazem ponto no terminal e não pela empresa que administra o aeroporto.

Se estavam ‘errados’ cabia à polícia ou prefeitura até, por meio do setor de transportes, uma boa conversa, não o exagero que se viu.

Duas guarnições da PM atenderam a ocorrência. O tenente Farias, que também é pastor da igreja Assembleia de Deus, efetuou as prisões que ainda precisam ser bem explicadas, uma vez que foi tudo filmado. Ele inclusive prendeu as pessoas aleatoriamente: “Quem é mais motorista de aplicativo, tem mais alguém aí?”, perguntou o militar, dirigindo-se depois para uma mulher apontada pelos taxistas como motorista do aplicativo. Assista o video e tire suas conclusões.

Política

Os taxistas do aeroporto são protegidos ostensivamente pelo vereador e dono de táxi Robson Vinhas (PCdoB), da base aliada da prefeita Cláudia (PSD). Eles são acostumados a divulgar aos passageiros que a cidade não tem serviço de Uber, prejudicando os motoristas do aplicativo e turistas. Há denúncias de que prepostos da própria prefeitura divulgam essa informação. 

Grande diferença de preço

Uma corrida de Uber partindo do aeroporto de Porto Seguro pode custar até 70% a menos que uma corrida de táxi. Fora o fato que os taxistas muitas vezes não usam taxímetro, cobrando pela aparência do passageiro e preços abusivos.