Bebiano continua ministro, mas o PSL não é mais aquele

Podem botar as barbas de molho quem contava com a força do PSL nas eleições de 2020. O partido que elegeu o presidente da República Jair Bolsonaro está implodindo com a crise instalada no Planalto depois da denúncia de uso de dinheiro público do fundo partidário pela sigla para financiar candidatas de fachada, chamadas de laranjas.

Somado ao caso do uso de assessores laranjas no gabinete pelo então deputado Flávio Bolsonaro na Assembleia carioca antes de virar senador, temos um PSL desmascarado e desmoralizado, antes do governo Bolsonaro completar 100  dias. A sigla faz tudo igualzinho às outras tão atacadas na campanha de 2018.

Portanto, na segunda safra da “nova política” semeada nas redes sociais já estamos colhendo os frutos podres da velha política das conhecidas maracutaias para lavar o dinheiro público roubado dos contribuintes. O PSL era uma farsa. Agora Bolsonaro  terá de se esforçar pra se livrar das chantagens e provar aos eleitores que é diferenciado.

Até a publicação deste comentário, o ministro Augusto Bebiano (PSL), acusado de distribuir o fundo partidário na campanha de 2018 com 2 candidatas laranjas, ainda continuava no cargo.

Por Geraldinho Alves, jornalista e editor do Bahia40graus