Exploração do grafeno em Eunápolis pode impactar o meio ambiente

A descoberta do grafeno, mineral extraído do grafite (faz-se 150 gramas do primeiro com 1 kg do segundo) está festejada como excelente para economia local, mas esconde o risco de ser desastrosa para o meio ambiente.

Qualidades – O mineral é apontado como o substituto do silício no futuro próximo, brilha como o diamante, é um ótimo condutor de energia e 200 vezes mais resistente do que o aço.

Desinformação – A empresa interessada, que já vem estudando o potencial da jazida de grafite descoberta em Eunápolis faz tempo, ainda mantém o assunto só nos bastidores. A população está completamente desinformada.

Propina – Já circulou inclusive que houve pedido de propina alta para instalação do empreendimento. que estaria ameaçado de não acontecer.

IMPACTO AMBIENTAL – O grafeno não se decompõe facilmente em lagos e rios e pode viajar longas distâncias na correnteza, diz uma matéria publicada na revista Galileu, da editora Globo. Portanto, o risco de poluir os rios, fauna e flora por muito tempo é alto, não apenas no município, mas na vizinhança também.

Ainda de acordo com a revista, a poluição por grafeno ainda ainda não foi estudada com precisão, mas há evidências de que algumas formas da substâncias possam ser tóxicas, especialmente em contato com o pulmão.

POPULAÇÃO PRECISA DISCUTIR – Apesar da versatilidade e utilidade do grafeno, os estudos indicam que a Eunápolis precisa pensar muito no impacto ambiental que a atividade mineradora pode provocar, principalmente sobre o descarte dos materiais produzidos, antes que seja tarde.