Operação da PF não atingiu a operadora CVC Brasil

Apesar do nome, a CVC Tur, alvo da Operação da Polícia Federal nesta terça-feira, 12 de março, não tem vínculo formal com a operadora de viagens desde 2009. Naquele ano, segundo o jornal O Globo, foi criada uma nova empresa, a CVC Brasil, que herdou os ativos e passivos da companhia anterior. É a CVC Brasil quem comanda as mais de 1.300 lojas no Brasil.

A operadora é responsável por mais de 60% do fluxo de turistas na Costa do Descobrimento. Paulus, fundador da CVC, juridicamente é apenas um sócio minoritário da companhia, que tem ações na Bolsa de Valores.

O empresário fundador da CVC confessou à Polícia Federal (PF) ter pago propina para livrar uma de suas empresas de uma cobrança de R$ 161 milhões em tributos federais. Paulus deixou a presidência do Conselho de Administração da CVC Brasil em março do ano passado, pouco antes de fazer a delação premiada, e não participa mais do controle da companhia.

Nota – Em nota, a CVC Brasil informou que a empresa citada nas investigações desta terça-feira “não tem qualquer relação com a companhia”. Ainda segundo a empresa, “nenhuma das pessoas citadas, incluindo o Sr. Guilherme Paulus, possuem cargos executivos ou na administração da CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A”.