Os Ulduricos – pai e filho – estão à procura de um partido

Lendo nas entrelinhas a reação do deputado federal Uldurico Pinto Júnior (PPL), a incorporação do PPL ao PCdoB, para se livrar da cláusula de barreira, não estava nos planos do jovem presidente estadual do PPL. E está criando um grande dilema.

Júnior teria dito a um famoso blog de Salvador que seria “zero” a chance dele pular pro lado do governador Rui Costa (PT), uma vez que o PCdoB é partido da base aliada e ele é um declarado apoiador do prefeito ACM Neto (DEM). Chamou a notícia que especulou a sua migração de “fake news”.

O pai – No entanto, na mesma reação, lê-se que o PCdoB não descarta incorporar o pai do deputado, que tem o mesmo nome, sobrenome e ideologia. Cabe ressaltar que Uldurico Pinto (pai) foi deputado por diversas legendas, sendo responsável nos últimos anos pela sobrevivência política da família Pinto.

O que não está dito é que os Pinto são figurinhas carimbadas na política baiana. Sabem transitar em qualquer lado do jogo partidário – esquerda ou direita. Tomaram o PPL na Bahia, causando a implosão do partido, e agora podem muito bem ocupar outra legenda por conveniência. Querem um partido pra controlar.

Fake news” – Apoiar ACM Neto seria a última coisa que os Ulduricos e toda a família Pinto – que ingressaram na política historicamente pela esquerda – pensariam há alguns anos, mas a dinâmica dos interesses sempre prevalece, neste ou naquele grupo. Antes de chamar de “fake news” as previsões “Kiko”, como o jovem deputado é chamado entre os mais próximos, deveria esperar o que o pai vai decidir. Afinal, Uldurico pai, quando deputado federal pelo PMN já apoiou até uma emenda para viabilizar o 3º mandato do ex-presidente Lula.