Por que a APLB tá calada em Cabrália?

O presidente da APLB de Santa Cruz Cabrália, José Feliciano, que ganha 2 salários, 1 em Cabrália – 40 horas – e outro em Porto Seguro – mais 40 horas, duas cidades governadas pelos irmãos Agnelo e Cláudia, respectivamente, precisa explicar aos professores e trabalhadores filiados à APLB por que a entidade está deixando direitos trabalhistas serem tirados da classe, como se queixam alguns servidores nas redes sociais, sem o Sindicato botar a boca no trombone como fazia antes?

“MALDOSOS E ACOMODADOS” – Depois de receber críticas nas redes sociais, Feliciano, que apoiou o prefeito Agnelo nas eleições 2016 (nos bastidores), atacou “os maldosos de plantão” e “os muitos que se acomodam, (sic) ou não se mobilizam sequer (…)”. Justificou a ausência da cidade por motivo de doença de sua mãe, no sertão baiano. Vamos aguardar ele voltar.