Prefeito de Itabela vira réu por ameaçar e ofender Guarda Civil Municipal

Luciano Francisquetto foi citado no processo nº: 0000424-58.2018.805.0111 que ainda não está disponível na internet. A informação é do Sindiguardas – Sindicato dos Guardas Civis Municipais da Bahia.

Denunciado pelo Ministério Público estadual, o prefeito de Itabela, no extremo sul da Bahia, Luciano Francisqueto (PRB), que já tem fama de “cowboy valentão”, virou réu em ação penal por decisão do titular da Vara Crime da comarca local, juiz Heitor Awi Machado de Attayde.  

O prefeito foi enquadrado nos Artigos. 147 e 163 do Código Penal, sendo acusado por ter ameaçado de mal físico, ofender a honra do subordinado e de ter quebrado o celular do Guarda Civil Municipal (GCM) Osvaldo Borges de Meneses, que segundo o Sindguardas, estava defendendo os interesses da categoria.

COMO FOI A AMEAÇA

Em 2017, o Sindiguardas denunciou ao Ministério Público estadual e do Trabalho as precárias condições de trabalho dos GCMs na cidade de Itabela, tendo, inclusive ocorrido audiências, mas o Sindicato afirma que nada foi cumprido dos acordos pactuados. A categoria entrou em greve e realizou alguns atos de protestos, tendo o GCM Osvaldo como um dos líderes.

Osvaldo relata que depois disso o prefeito ligou para o celular dele e fez a ameaça de mal físico, além de lhe xingar e ofender de “safado, pilantra, porqueira, filho da puta, descarado, moleque, preguiçoso, vagabundo, viado”. O GCM gravou a conversa por telefone e o áudio faz parte do processo.

O OUTRO LADO

Bahia40graus entrou em contato com o prefeito Luciano Francisquetto, que justificou o ato afirmando que o GCM teria ido à casa de sua mãe, no centro da cidade. O prefeito só não detalhou se sua mãe sofreu alguma ofensa ou agressão. Luciano não quis emitir Nota d Esclarecimento. O caso está sendo amplificado pela oposição local.