Salvador já tem 25 queixas de agressão à mulher por dia em 2019

1ª semana do ano teve 175 casos de violência registrados nas Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher de Brotas e Periperi, na capital baiana. No estado foram 70 casos de feminicídios no ano passado.

Segundo a Polícia Civil da Bahia, cerca de 70% das denúncias são encaminhadas à Justiça – ou seja, viram processo. Entre as denúncias feitas este ano, pelo menos duas foram contra o DJ João René Espinheira Moreira, 33 anos, conhecido em Salvador como DJ John Oliver. Ele foi apontado por duas vítimas como o autor de agressões ocorridas entre o dia 30 de dezembro de 2018 e 5 de janeiro deste ano.

De acordo com dados da Polícia Civil da Bahia, os 70 casos de feminicídios no ano passado em toda a Bahia foram 6% maior do que os casos registrados em 2017, quando houve 66 crimes do tipo.

O caso mais recente aconteceu em Salvador, quando a atendente Dara dos Santos Cavalcante, de 22 anos, foi morta por um vizinho e enterrada nas dunas de Itapuã, no dia 31 de dezembro.

BRASIL

Em todo o Brasil, os números também cresceram. De acordo com balanço do Disque 180, canal do agora Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, publicado nesta terça-feira (8/1) pelo Correio Braziliense, foram 2.749 tentativas de feminicídio no país de julho a dezembro de 2017. No mesmo período de 2018, foram 4.018 – 46% a mais.

Um levantamento inédito feito pelo Ministério da Saúde e divulgado também nesta terça pelo Estadão mostrou outro dado preocupante: 3 em cada 10 mulheres que morreram no Brasil por causas ligadas à violência já eram agredidas frequentemente.

FONTE: Jornal Correio