Transporte escolar sob suspeita em Eunápolis

Em alto e bom som na tribuna da Câmara, na sessão extraordinária do dia 6/12, o vereador Daniel Queiroz (PR) disse que o serviço de transporte escolar contratado pela prefeitura de Eunápolis precisa ser fiscalizado porque estaria sendo prestado muito precariamente. No discurso ele chegou a convidar o colega edil Jota Batista (PSC) para acompanhá-lo na fiscalização.

Polícia Federal – O edil vai começar a mexer no Calcanhar de Aquiles do governo municipal, porque o problema vai muito além do serviço precário. E os contratos de transporte escolar são alvos de investigações da Polícia Federal ainda em andamento, na cidade e região. O Ministério Público está de olho nas prefeituras e quer acabar com as organizações criminosas que atuam no setor no interior da Bahia.

“Laranja” e fraude – No contrato de Eunápolis há suspeitas de uso de “laranja” e empresa de fachada, fraude documental, idade da frota abaixo da lei, falta de itens de segurança e vistoria nos veículos, ausência de treinamento adequado aos motoristas e monitores, suspeita de rotas fantasmas, entre outros casos cujos indícios vão desde a licitação. Repetindo, suspeitas por enquanto, porque nada foi denunciado até agora à Justiça. Uma investigação é oportunidade para a empresa comprovar que tem capacidade técnica para prestar o serviço, que ganhou a licitação de forma honesta e que o contrato não contém vícios. Também pode provar que as rotas são reais e a frota atende as exigências da lei.