Menu
Banner Prefeitura TOPO
17 de Outubro de 2018

Apesar do apoio de ACM Neto, Alckmin teve menos votos que Cabo Daciolo em Salvador

  • Publicado em Bahia

Apesar de ser coordenador nacional da campanha e maior apoiador na Bahia, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), não conseguiu dar mais votos para seu candidato a presidente, o tucano Geraldo Alckmin, do que os votos obtidos pelo concorrente menos expressivo Cabo Daciolo (Patriota) na capital baiana. Alckmin teve o pior desempenho do PSDB em eleições presidenciais de sua história.

Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ex-governador de São Paulo ficou com 2,08% dos votos válidos do eleitorado em Salvador. Apenas 28.239 votos. Com o 4º melhor desempenho entre os presidenciáveis na capital baiana, Daciolo teve 3,01%, o que correspondeu a 40.760 votos.

O petista Fernando Haddad foi o mais votado na cidade governada por ACM Neto com 47,75% dos votos válidos. Em 2º lugar, vem Jair Bolsonaro (PSL), com 27,81%, seguido de Ciro Gomes (PDT), com 14,43%.

 

Zonas eleitorais – Haddad ganhou em todas as zonas eleitorais da cidade e Bolsonaro venceu em apenas duas: a 1ª (formada por bairros como Barra, Graça, Vitória, Garcia, Campo Grande e Canela) e a 13ª (que inclui bairros como Pituba, Itaigara, Costa Azul e Stiep).

Leia mais ...

Com Alckmin empacado, ACM Neto caminha para mais uma aposta perdida. Comentário de Levi Vasconcelos

  • Publicado em Bahia

Se por estratégia ou convicção pessoal, sabe-se lá (é mais para a estratégia), mas ACM Neto declarou ao Estado de São Paulo que não entra no debate sobre um segundo turno entre Bolsonaro e Fernando Haddad:

— Eu me recuso a discutir que o Brasil ficará condenado a um segundo turno entre Bolsonaro e Haddad. Vamos com Geraldo até o fim e acreditamos na virada. Isso não é conversa fiada.

A pesquisa FSB/BTG Pactual e a do Ibope ontem divulgadas carimbam a tendência apontada por todas as outras já divulgadas, justo a que ele não quer: Bolsonaro ficou nos mesmos 33%, Haddad pulou de 16% para 23%, Ciro caiu de 14% para 10% e Alckmin subiu de 6% para 8% na FSB e 28% para Bolsonaro, 22% para Haddad, 11% para Ciro e 8 para Alckmin no Ibope.

Desacertos

Em síntese, todas as pesquisas sinalizam um segundo turno entre Bolsonaro e Haddad, o que para a oposição seria o coroamento de uma sucessão de desacertos após o impeachment de Dilma, em 2016.

Após a breve lua de mel de Temer com o poder, veio o escândalo Joesley que detonou a moral tucana, junto com Aécio Neves. Agora, Alckmin tenta dizer que quem elegeu Temer foi Dilma. Não cola

Depois vieram as malas de Geddel, a desistência do próprio Neto, a saída de João Gualberto de cena.

Aliás, Alckmin está na eminência de sofrer a maior das suas derrotas, algo inimaginável, pelo leque de apoios que formou. E com isso cria a cereja do bolo dos desacertos da oposição baiana.

Por Levi Vasconcelos, jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista do jornal A Tarde.

Leia mais ...
Assinar este feed RSS
  • Jornalista Responsável: Carlos Geraldo Alves MTE/BA 4162 - Fundação: Novembro de 2012
  • E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.  
  • Tel/Whatsapp: (73) 99814-6777