Menu
Banner Prefeitura TOPO
28 de Julho de 2017

GERALDINHO ALVES - Bahia 40 Graus

GERALDINHO ALVES

GERALDINHO ALVES

Com mais de 4 anos de atraso, nepotismo, legalidade e capacidade técnica de agentes políticos são questionados em Eunápolis

Essa semana, Eunápolis virou notícia tendo como pauta uma recomendação do Ministério Público estadual (MP-BA) para que sejam exonerados dos cargos de agentes políticos dois parentes do prefeito Robério Oliveira. Entretanto, em 20 de dezembro de 2012, há 4 anos e 8 meses, portanto, o site Radar64 publicou matéria do blog da jornalista Rose-Marie Galvão com o título: “Eunápolis: o novo governo inaugura o nepotismo?”, alertando sobre a nomeação da médica veterinária Maria Cecy Guerrieri (Ciça), esposa do então prefeito Neto Guerrieri, para a Secretaria de Assistência Social. Mas foi um grito no deserto.

O tempo passou, Ciça ficou 4 anos sem ser incomodada e fez até um bom trabalho do ponto de vista técnico. Há outros casos do governo passado que também não foram questionados. Agora, o Ministério Público está recomendando a exoneração de Lourenço Oliveira (Meio Ambiente e Agricultura), irmão do prefeito Robério, que já foi Delegado de Terras em Santa Cruz Cabrália, e também da advogada Larissa Oliveira (Assistência Social), filha do prefeito.  

No caso de Lourenço, a tese da falta de capacidade técnica esbarra no fato dele ter trajetória de agente político na administração pública regional, o que lhe credencia para exercer a função de secretário municipal, restando aí a polêmica de sua nomeação ser ou não nepotismo.

Já a filha do prefeito, Larissa, que é advogada, se enquadra na Resolução 17/2011, do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), que indica para o cargo de gestor da Assistência Social profissional de nível superior formado em Assistência Social ou Direito.  

Resultado de imagem para LARISSA SECRETARIA EUNAPOLIS

SECRETÁRIA LARISSA VISTORIANDO OBRAS DE CONJUNTO HABITACIONAL EM EUNÁPOLIS / FOTO: DIVULGAÇÃO 

A recomendação do MP-BA pede ainda a exoneração de uma diretora no setor de saúde que seria companheira do vereador Valdemir Batista, outro irmão do prefeito. O promotor que faz a recomendação é Dinalmari Messias, que já protagonizou outros embates na Justiça envolvendo o prefeito Robério nos dois mandatos anteriores. Ficou fora da recomendação a secretária de Educação, Maureen Lacerda, esposa do vereador Querubino. Por que?  

Há no meio jurídico opiniões divididas sobre nepotismo. Uma súmula vinculante do STF é a referência pro tema. Como não sou advogado deixo a interpretação jurídica pra quem entende e pode fazer.  

A recomendação do promotor atende determinação da chefia do Ministério Público estadual, em Salvador. E precisa chegar com o mesmo alarde às demais prefeituras da microrregião como Itapebi, Itagimirim, Itabela e Guaratinga, onde casos de nomeação de parentes dos gestores são conhecidos da população.

CASOS DO GOVERNO PASSADO

Um rápido apanhado do governo passado, além do caso da esposa do ex-prefeito, vamos encontrar a nomeação do advogado Flávio Viana, filho da ex vice-prefeita Maria Menezes, para a Secretaria de Relações Institucionais, cargo que existiu só no papel. Flávio não frequentava nem mesmo reuniões do secretariado e sua pasta era só fachada, embora tivesse orçamento e despesas. Certamente, o caso também se enquadraria na tese de nepotismo. Ou não?

Continuando no governo passado, há outra situação, no mínimo questionável: a nomeação de marido e mulher como agentes políticos no primeiro escalão, para os cargos de Procurador Geral e secretária de Educação. Embora ambos tenham inegável e notória capacidade técnica para os cargos, cabia ou não um questionamento? Faço questão de destacar aqui que ambos exerceram os cargos com reconhecida eficiência.

Resultado de imagem para rafael oliveira chefe de gabinete eunapolis

RAFAEL DO PT INAUGURANDO OBRA EM EUNÁPOLIS / FOTO: OXAROPE.COM

Resultado de imagem para rafael oliveira chefe de gabinete

RAFAEL REPRESENTANDO O PREFEITO

Resultado de imagem para rafael oliveira chefe de gabineteResultado de imagem para rafael oliveira chefe de gabinete

RAFAEL OLIVEIRA SENTADO NA CADEIRA DO PREFEITO E DESPACHANDO COM NETO / FOTOS: ROTA51.COM

CHEFE DE GABINETE - Também é de conhecimento público no meio político que o chefe-de-Gabinete do prefeito na gestão passada, Rafael do PT, era diretor sindical em Salvador e servidor federal da Chesf, impedido de ser nomeado na Prefeitura de Eunápolis, mas que exerceu durante 4 anos a função, sem ter nomeação nem constar na folha de pagamento. Rafael exerceu autoridade no município, representando o prefeito em muitos casos, sem nenhuma legalidade. Podia fazer isso?

Uma irmã da esposa do ex-prefeito também teria sido nomeada diretora de um setor na Prefeitura, mas o fato passou batido. Existem mais casos e casos.

MINHA OPINIÃO - Longe de criticar a ação do promotor Dinalmari e sem questionar a eficiência dos agentes políticos citados (do passado e do presente), nem opinar (deixo isso para os advogados) sobre o mérito da tese de nepotismo, mas os casos narrados mostram que na política nem tudo é como parece.

Lembro que a OAB local também provocou o Ministério Público estadual sobre as nomeações em Eunápolis em janeiro deste ano, não lembro se a entidade (que trocou de diretoria) também questionou o nepotismo no governo passado. Não custa anotar que de janeiro a julho já se passaram 7 meses. Depois de tudo o que foi dito, algumas explicações podiam ser dadas:

1 - Por que os casos dos parentes do prefeito Robério seriam nepotismo e os casos da esposa do ex-prefeito Neto e do filho da ex vice-prefeita não seriam, mesmo sendo semelhantes?

2 – Por que a atuação de Rafael do PT como autoridade do município, mesmo sem nomeação e legalidade, não foi sequer questionada por nenhuma instituição?

3 -  O caso da esposa do vereador Querubino é diferente do caso da companheira do vereador Valdemir Batista?

É bom deixar claro que não atuo aqui na defesa de um governo ou no ataque ao outro, mas em defesa de um padrão de entendimento dos fatos em questão e de uma uniformidade das recomendações. Quero entender os pesos e as medidas aplicadas.

O que é mesmo nepotismo perante a lei e como definir a capacidade técnica de um agente político? A resposta deve servir para aplicar a qualquer governo. Lembro do matuto fazendeiro Júnior Bahia na secretaria de Agricultura, no governo passado, só pra ilustrar.

Entendo que a legalidade, moralidade e eficiência são valores objetivos que devem ser medidos pela mesma régua. O que está em discussão não pode ter como critério o sobrenome desse ou daquele gestor. Parente é parente, capacidade técnica é algo verificável. Espero que Eunápolis não volte a viver novamente o clima de insegurança jurídica que viveu em 2005 e 2006. Fiz este longo comentário porque vejo esta pauta como espinhosa e subjetiva, merecedora de um texto mais profundo e informativo. E torço para que o tema seja realmente esclarecido.  

 

Por Geraldinho Alves, jornalista e editor deste blog 

Cabrália: secretário de Cultura Jair Sisan é eleito Conselheiro Cultural da região durante o 4º Encontro de Política e Gestão Culturais

O secretário de Cultura de Santa Cruz Cabrália , Jair Sisan, representou o município no 4º Encontro de Política e Gestão Culturais, realizado em Feira de Santana, nos dias 25 e 26 de julho, que reuniu gestores de cultura de todo o estado da Bahia. Na ocasião, Jair foi eleito Conselheiro Cultural da Costa do Descobrimento.

O evento foi promovido pela Secretaria estadual de Cultura (Secult), por meio da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura, com o objetivo fortalecer as redes dos agentes culturais existentes na Bahia e incentivar a criação e a consolidação de órgãos institucionais dos poderes públicos - municipal e estadual. 

O secretário Jair Sisan comentou sua participação no encontro: “Acho importante a troca de experiências com quem faz cultura no estado. Cabrália vem resgatando e valorizando as manifestações culturais locais que estavam esquecidas. Como o carnaval cultural, as quadrilhas juninas. A experiência adquirida neste encontro de Feira de Santana nos leva a pensar no fortalecimento da cultura como política pública não apenas em nossa cidade, mas em toda a região”, declarou o secretário. “Desde o começo da gestão, o prefeito Agnelo Santos vem apoiando nossas ações na Secretaria de Cultura”, concluiu Jair Sisan, único secretário municipal de Cultura da Costa do Descobrimento presente ao evento. Apenas Porto Seguro e Guaratinga participaram, mas com representantes do 2º escalão.

Atendimento móvel da saúde em Cabrália tem balanço positivo

A Secretaria Municipal de Saúde de Santa Cruz Cabrália fez um balanço do atendimento móvel realizado no domingo e na segunda-feira (23 e 24 de julho). No domingo, a ação aconteceu em frente a USF do bairro Geraldão, entregue aos moradores como parte da programação de aniversário de emancipação política da cidade. Foram 83 consultas de oftalmologia e 50 atendimentos odontológicos. A ação também realizou 108 exames de mamografia (no domingo e na segunda), dentro do programa de combate ao câncer de mama. 

A imagem pode conter: 1 pessoa, telefone e área internaA imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e área internaA imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas sentadasA imagem pode conter: 13 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livre

Cacique Zeca Pataxó repudia reportagem do Globo Repórter em Monte Pascoal

O cacique Zeca Pataxó, secretário de Assuntos Indígenas de Santa Cruz Cabrália e um dos coordenadores do Movimento Indígena da Bahia, morador da aldeia de Coroa Vermelha, postou nas redes sociais um vídeo repudiando a reportagem do Globo Repórter exibida pela Rede Globo na última sexta-feira (21). Para o indígena, a matéria sobre desmatamento da Mata Atlântica na região da Aldeia Barra Velha (Porto Seguro) foi parcial e não reflete a realidade dos povos indígenas na região da Costa do Descobrimento. 

Ele cobra das autoridades o cumprimento da Constituição Federal e a demarcação das terras indígenas na Costa do Descobrimento. Zeca Pataxó afirma que os indígenas foram enganados pela reportagem da Globo, que não falou a verdade sobre o povo pataxó da região, que também não mostrou as ações de manejo sustentável da floresta, nem foi aos locais de difícil acesso onde os índios preservam a mata atlântica há anos. Para o cacique, se o território alvo da reportagem fosse habitado por não-indígena já estaria destruído. Ele defendeu o território da aldeia Barra Velha, citando as grandes áreas de preservação ambiental habitada por indígenas, como a reserva da Jaqueira e o próprio Monte Pascoal.   

Assinar este feed RSS
  • Jornalista Responsável: Carlos Geraldo Alves MTE/BA 4162 - Fundação: janeiro de 2008
  • E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ou O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
  • Tel.: (73) 3281-6908 / (73) 99814-6777