Estrada da Colônia: obra eleitoreira que saiu pela culatra, mal feita e com atraso em Eunápolis

A derrota de Larissa, filha do prefeito de Eunápolis, nas eleições 2018, é prova de que o asfalto não funcionou como moeda eleitoral dessa vez.

Reivindicação antiga dos moradores e produtores rurais da região, o asfalto da Estrada da Colônia não trouxe dividendos políticos para o prefeito de Eunápolis como ele esperava, embora os papagaios do governo continuem mentindo e contando outra história na imprensa e redes sociais.

Erros – Iniciada com atraso, a obra se arrasta entre erros de engenharia – esta semana um carro caiu dentro de uma cratera aberta pelas chuvas – e muita morosidade, com interrupções constantes.   

Boicote – A obra já poderia ter sido iniciada e concluída há muito tempo, desde o governo do ex-prefeito Neto Guerrieri, mas o então deputado estadual Robério boicotou por razões eleitoreiras. Ele tinha planos da obra ser realizada na gestão dele como prefeito. Como Robério vem boicotando a obra de 100% do saneamento básico só porque seu antecessor foi o protagonista.

Voltando à Estrada da Colônia, temos que duvidar da qualidade da obra. O tamanho do acostamento, a espessura do asfalto, a eletrificação, enfim, quando uma obra eleitoreira não dá certo o político geralmente desconta no eleitor.