Justiça partidária: Dallagnol comemorou censura eleitoral à Lula, ouça

Na fala do procurador Deltan Dallagnol, chefe da Lava Jato, divulgada pelo site Intercept, nesta terça (8/10), fica claro que ele comemorou a decisão do ministro do STF Luís Fux, de censurar a entrevista de Lula à Folha, no período eleitoral.

JUSTIÇA PARTIDÁRIA

A comemoração de Deltan Dallagnol deixa claro o viés político da Lava Jato, que agora passou a confundir midiaticamente a corrupção como prática exclusiva da esquerda, cujo maior expoente ainda é o ex-presidente Lula, condenado e preso em Curitiba após delação de um empresário corrupto e a parcialidade de um juiz de 1ª instância que virou ministro do grupo político favorecido com a prisão de Lula.

A corrupção é prática generalizada no país e envolve todas as esferas do poder. Basta querer investigar de verdade. 

Começa nas indicações de cargos políticos, passa pelas licitações e contratos fraudulentos, fonte do caixa 2 e propinas, chegando até a compra de sentenças e decisões liminares.  

A censura imposta a Lula pelo STF em 2018 calou a maior voz da esquerda brasileira (quem sabe mundial), gol de mão a favor da direita, em um jogo em que o ‘juiz’ visivelmente favoreceu o time do coração. Foi mais um golpe na frágil democracia brasileira. Até Pòncio Pilatos arriscou ouvir a voz do povo em pleno Império Romano.

P.S.: Bahia40graus não tem preferência política, mas prefere o Estado Democrático de Direito valendo para todos. 

Por Geraldinho Alves, jornalista e editor do Bahia40graus